Pesquisar este blog

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Cadernos da Metrópole: Urbanização e ambiente: em busca de uma construção interdisciplinar

Nas cidades contemporâneas, ameaças naturais e induzidas atingem de forma particularmente intensa populações em situação de precariedade social. Indo além de abordagens tradicionais sobre a pobreza, estudos da vulnerabilidade reconhecem processos complexos que reforçam a insegurança desses grupos. Neste artigo, Lúcia Cony Faria Cidade realiza uma revisão bibliográfica de distintos enfoques sobre a vulnerabilidade. E mostra que abordagens tradicionais na linha físico-ambiental ou na social, com tratamentos quantitativos ou qualitativos, tendem a limitar-se a olhares específicos.

O artigo “Urbanização, ambiente, risco e vulnerabilidade: em busca de uma construção interdisciplinar”, de Lúcia Cony Faria Cidade, é um dos destaques do Dossiê: “Sustentabilidade e Justiça Socioambiental nas Metrópoles”, da Revista Cadernos Metrópole nº 29.

Urbanização, ambiente, risco e vulnerabilidade: em busca de uma construção interdisciplinar

Lúcia Cony Faria Cidade

A imensa criação de riquezas que caracteriza os sistemas sociais contemporâneos acompanha-se de crises econômicas, do crescimento da pobreza e da intensificação dos efeitos de eventos perigosos. De forma crescente, a dinâmica do risco tende a se reproduzir em variados graus e combinações em cidades de todos os continentes. O intenso crescimento urbano e usos inadequados do solo potencializam ameaças advindas de eventos naturais, como tempestades, enchentes e deslizamentos, ou de ocorrências induzidas, como certos tipos de contaminação e de doenças e a violência. Esses problemas são recorrentes em grandes cidades no mundo e, em particular, na América Latina e no Brasil. Em áreas urbanas brasileiras, a ocupação de áreas de risco, muitas vezes associada a condições socioeconômicas precárias, tende a aumentar, multiplicando os agravos aos grupos sociais atingidos. A dificuldade de lidar com impactos negativos caracteriza situações de vulnerabilidade a danos potenciais advindos de diferentes eventos. Assim, o texto pretende resgatar perspectivas, bases metodológicas e procedimentos de pesquisa aplicáveis a análises da vulnerabilidade, com vistas a desvendar seus contornos. A discussão mostra que estudos sobre a temática tendem a privilegiar ora enfoques físico-ambientais ora perspectivas sociais, enquanto novas concepções avançam em direção a uma visão integrada, socioespacial.

O quadro no qual a temática da vulnerabilidade se inscreve tem sido equacionado como o de uma sociedade de risco. Para Ulrich Beck, em termos políticos, a chamada “modernização da modernização” tem como consequências inseguranças de toda uma sociedade, de difícil delimitação, envolvendo lutas entre diferentes facções. Essa fase seria caracterizada por uma dinamização do desenvolvimento, que seria tensionado por uma potencialidade para provocar consequências contrárias às desejadas. Para o autor, em diferentes lugares e grupos culturais, esses traços se combinam com o nacionalismo, a pobreza em grande escala, o fundamentalismo religioso, as crises econômicas, as crises ecológicas, guerras e revoluções e, ainda, estados de emergência decorrentes de grandes catástrofes. Esse conjunto caracterizaria o que o autor denominou “o dinamismo do conflito da sociedade de risco” (Beck, 1997, p. 14).

Na fase atual, a precariedade que atinge as condições de vida de certos grupos sociais em muitas partes do mundo tende a permanecer e, em muitos casos, a se agravar. Em um cenário marcado por diferenças intergrupais e interpessoais na capacidade de reação a adversidades, nas últimas décadas têm aumentado o número de estudos da vulnerabilidade. Susan Cutter mostra que análises iniciais, algumas das quais alimentaram avanços posteriores sobre o tema, tendiam a preocupar-se com os efeitos de catástrofes naturais, dando particular atenção à vulnerabilidade de populações a ameaças ambientais (Cutter, 1996). Por outro lado, examinando estudos com um cunho social, Caroline Moser observa que alguns autores consideraram estudos tradicionais da pobreza insuficientes para expressar a diversidade de aspectos envolvidos. Além disso, essas análises eram pouco operacionais para informar ações com vista à prevenção ou à mitigação de efeitos danosos da privação (Moser, 1998, p. 3). Assim, vários pesquisadores, inclusive alguns ligados a entidades financeiras internacionais, passaram a incorporar em seus enfoques a questão da vulnerabilidade em áreas rurais e urbanas. Por outro lado, alguns analistas passaram a reconhecer ligações entre processos físico-ambientais e processos sociais; e a buscar procedimentos metodológicos que permitissem uma visão integrada. A partir de uma variedade de abordagens, a grande repercussão de estudos sobre a vulnerabilidade alimentou um número de críticas e debates, que deram visibilidade ao assunto e desembocaram em novos desdobramentos.

O entusiasmo com a temática da vulnerabilidade, no entanto, não obscureceu uma inegável dificuldade, que é a análise de um fenômeno ou de um conjunto de fenômenos com a mesma designação, que se manifesta de formas diferenciadas e tem causalidades múltiplas. Uma das manifestações desses complicadores é a construção de uma base conceitual comum. Na verdade, os pontos de partida são distintos: as ciências da natureza, no caso dos desastres ambientais; e as ciências sociais, no caso dos processos socioeconômicos com efeitos sobre a pobreza. O ponto de convergência seria a vulnerabilidade ou suscetibilidade da população para lidar com os impactos de ocorrências danosas, de origem físico-ambiental ou social. A forma de enquadrar os processos causais já deixa antever as primeiras dificuldades. Alguns estudos tendem a considerar essas “ocorrências” como eventos pontuais – no caso dos desastres ambientais, ainda que matizados por ações da própria sociedade. Outros, diferentemente, consideram as “ocorrências” como parte de um andamento contínuo – no caso dos processos socioeconômicos.

As dificuldades de sistematização da temática surgem, ainda, do fato de o objeto de análise que se pretende construir – processos que tenham expressão na vulnerabilidade e seus desdobramentos – tender a ser multifacetado e complexo. Assim, óticas específicas, como a físico-ambiental ou a social, tenderiam a ganhar em aprofundamento e a perder em generalidade. Ao contrário, perspectivas multidisciplinares, como a que se poderia chamar de socioambiental, apesar de um discurso integrador, tendem a perder em precisão, além de carecer de metodologias consolidadas. Em um terreno em que nem sempre os avanços são lineares ou progressivos, algumas propostas buscam enriquecer o enfoque da vulnerabilidade, incluindo nas análises o papel do lugar e do contexto territorial nos processos observados. Uma das formas de propiciar interpretações que levem em conta essa complexidade são estudos da vulnerabilidade com uma ótica socioespacial.

A seleção de estudos para revisão baseia-se não apenas nas diferentes óticas adotadas neste texto, mas também na disponibilidade de informações sobre os conceitos e procedimentos de pesquisa adotados. Assim, no tema relativo à vulnerabilidade físico-ambiental escolheu-se um estudo sobre deslizamento de encostas no Brasil. No tema sobre a vulnerabilidade social, uma primeira análise envolveu comunidades em Zambia, no Equador, nas Filipinas e na Hungria. Uma segunda análise diz respeito a três cidades no Afeganistão, com uma visão qualitativa abordando a pobreza. Para o tema da vulnerabilidade socioespacial, o primeiro exemplo ilustrativo é sobre perigos naturais em condados nos Estados Unidos. O segundo exemplo trata de áreas urbanas no Afeganistão, distinguindo entre vulnerabilidade estrutural e vulnerabilidade inerente. No Brasil, são bastante conhecidos estudos nas diferentes óticas, alguns dos quais constam das referências bibliográficas ao final deste texto.

A organização das discussões neste texto reflete, assim, as dificuldades do próprio campo de conhecimento. A próxima seção, que trata de aspectos conceituais, começa com uma breve pontuação da evolução dos significados de vulnerabilidade; e, em seguida, busca as acepções mais utilizadas nos enfoques físico-ambiental, social e socioespacial. A seção subsequente volta-se para exemplos de análises aplicadas, sob a forma de interpretações e procedimentos relativos à vulnerabilidade em áreas urbanas. Embora a organização dos temas também procure seguir uma divisão segundo as óticas físico-ambiental, social e socioespacial, os estudos empíricos nem sempre se apresentam de forma tão definida. Assim, os exemplos apresentados podem, por um lado, não preencher toda a acepção pretendida ou, por outro, transbordar as fronteiras delineadas, contribuindo assim para a flexibilidade do esforço de sistematização aqui proposto.

Para ler o artigo completo “Urbanização, ambiente, risco e vulnerabilidade: em busca de uma construção interdisciplinar”, acesse a Revista Cadernos Metrópole nº 29.


Nenhum comentário:

Postar um comentário